Seca e caça predatória ameaçam a fauna tocantinense

Este ano a seca tem castigado severamente o Tocantins. Em muitas regiões já não há mais água escoando pelos leitos dos cursos d’água, provocando inúmeros transtornos para as comunidades locais. Entretanto, a fauna tocantinense também vem sofrendo com a falta de água e estes animais não estão morrendo de sede, mas vítimas da caça predatória oportunista neste período de escassez de água.

Veado, cervo-do-pantanal, Blastocerus dichotomus, Mazama gouazoubira, veado-catingueiro, veado-mateiro, Mazama americana, caça predatório, Tocantins, animais sofrem com a seca, natureza, conservação, blog natureza e conservaçãoQuem fez o alerta para o blog natureza e conservação foi a fotógrafa de natureza Izalete Tavares. Ela tem visto de perto esta situação em uma das regiões mais castigadas pela seca no Tocantins, a região de Formoso do Araguaia, sudoeste do Estado.

"Nos tempos de seca, há muitos animais que se tornam presas fáceis em regiões ocupadas por fazendeiros. Como? Bem, eles precisam de água para sobreviver e algumas vezes a sede é tão grande que esses animais acabam se aproximando demais das casas para conseguir água. Situação que é aproveitada pelos fazendeiros da região e visitantes das fazendas próximas”, explica Izalete. Segundo a fotógrafa, a fiscalização nas estradas da região está muito abaixo do que é realmente necessário para evitar esses crimes ambientais.

Seca no Tocantins, caça predatória, caça, caititu, Pecari tajacu, caitatu, taititu, cateto, tateto, pecari, porco-do-mato, patira, formoso do araguaia, Tocantins, natureza, conservaçãoDe acordo com Izalete, caçadores adentram o cerrado em buscas de poças d’águas onde montam “esperas” ou armadilhas para capturar os animais. “As poças de água naturais são formadas na época da chuva e como vão secando aos poucos, são sempre visitadas pela fauna local. Basta ficar um tempo parado entre os galhos para conseguir avistar os animais sedentos por água. Mesmo vendo a ameaça humana há poucos metros, a sede é maior. Eles se aproximam sem pensar muito e encontram assim, sua morte”, conta Izalete.

Segundo Izalete, o encontro na natureza com esses animais nesta situação é constante. “Sempre vejo esses animais com muita facilidade e tiro fotos de todos eles, apreciando a verdadeira beleza da natureza e tornando-os eternos, através da arte de fotografar. O que me entristece o coração, é que não é sempre um "tiro" de foto que eles recebem”, lamenta Izalete.

De acordo com Izalete, este estilo de caça predatória é bem comum na região de Formoso do Araguaia. “Sentando um pouco com os moradores locais, logo começam as histórias de como a matança dos seres vivos é cruel e sem misericórdia. Matam até mesmo quando o tiro não é certeiro, deixando o animal morrer aos poucos e se tornar comida de urubus”.

A fotógrafa de natureza ainda alerta pela necessidade de conservação da fauna local por parte da comunidade e órgão ambiental. “O local é lindo, com uma fauna e flora de encher os olhos. Esses animais precisam da nossa ajuda para ficarem seguros. A população tem que saber mais sobre a caça predatória no local, se preocupar e chamar a atenção dos órgãos ambientais ou logo não terá mais nada”.
Seca e caça predatória ameaçam a fauna tocantinense Seca e caça predatória ameaçam a fauna tocantinense Reviewed by Dianes G. Marcelino on 18:59 Rating: 5

Um comentário:

  1. Pessoal, há alguma forma de ajudarmos a resolver isso?

    Pedir que Deus cuide dessa nação tão rica e bela, que vêm se destruindo pouco a pouco.. é triste ver isso! :(

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.